jump to navigation

E sendo água, amor, querer ser terra Monday, May 24, 2010

Posted by Ágata in "Querido Diário", Poesia.
add a comment

Hoje acabou-se-me a palavra,
e nenhuma lágrima vem.
Ai, se a vida me acabara
também.

A profusão do mundo, imensa,
tem tudo, tudo – e nada tem.
Onde repousar a cabeça?
No além?

Fala-se com os homens, com os santos,
consigo, com Deus… E ninguém
entende o que se está contando
e a quem…

Mas terra e sol, luas e estrelas
giram de tal maneira bem
que a alma desanima de queixas.
Amém.

– Cecília Meireles (more…)

Advertisements

Run with the haunted Monday, May 24, 2010

Posted by Ágata in Lembranças, Pensando....
add a comment

Tem certas coisas que nos perseguem. Por um tempo, que somem e depois voltam, que duram a vida inteira. Uma citação, uma estrutura de frase, uma banda, uma música, uma atitude, um signo, um número, um nome.

Ultimamente, um cheiro tem me perseguido. Um perfume que eu aprendi a associar a abraços longos e quentes. Agora os abraços tem sido cada vez mais curtos e mais frios, em compensação o perfume me persegue até as horas mais escuras da madrugada.

So we’ll go no more a-roving – Byron Wednesday, May 19, 2010

Posted by Ágata in Poesia.
add a comment

So we’ll go no more a-roving
So late into the night,
Though the heart still be as loving,
And the moon still be as bright.

For the sword outwears its sheath,
And the soul outwears the breast,
And the heart must pause to breathe,
And love itself have rest.

Though the night was made for loving,
And the day returns too soon,
Yet we’ll go no more a-roving
By the light of the moon.

(uma boa tradução no resto do post, pena que não descobri o autor) (more…)

E uma paciência… Wednesday, May 19, 2010

Posted by Ágata in "Querido Diário".
add a comment

Sabe o que é que realmente me irrita nessas mudanças abruptas e que não foram decisões minhas? Ter que repetir mil vezes a mesma história e as mesmas explicações pra um monte de gente.

Sabe, não é que eu não queira conversar ou desabafar ou que ache que não posso contar com os outros. É só que eu vou fazer isso UMA vez.  Depois dessa vez, acho que nada me irrita mais do que ter que explicar de novo que aconteceu isso, isso e aquilo, que eu me decidi fazer isso ou aquilo. Xingoterapia é útil, funciona e tals, mas não me faça ter que aguentar carinha de pena ou querer uma revolta ou tristeza ou desespero ou sei lá eu o que os outros acham que as pessoas deveriam sentir. Tenha dó, né. Dar explicação pros outros me cansa. Ter os outros querendo resolver minha vida me irrita. Até porque, na maioria das vezes, eu não to pedindo solução. Tô informando. Se quiser solução, isso vai ficar bem, bem claro.

E essa preocupação toda do que eu vou fazer, de como eu vou ficar, do que é que vai ser agora, como se eu fosse agora passar a ficar em casa o dia todo me deprimindo. Bando de gente chata.

Nessas horas amigo bom mesmo é aquele que te ouve, acompanha na bebida (alcoolica ou não), solta uns “puta, que merda” junto, e emenda com um “mas, ah, isso nem precisa se preocupar, vc resolve fácil”.

Ou pelo menos é o tipo que eu to querendo. Sem mimimi.

Joie de vivre Wednesday, May 19, 2010

Posted by Ágata in "Querido Diário".
add a comment

Pior de tudo é que eu não posso disser que não era bem o que eu andava querendo. Eu não aguentava mais a mesmice, as coisas do jeito que estavam, a falta de desafios, me sentir num ponto final. Eu tava mesmo querendo um caminho novo. Pra poder falar bem a verdade, a vida tava me entediando – os mesmos problemas, as mesmas dúvidas, as mesmas situações, as mesmas irritações, igual igual igual igual. Sou chata demais mesmo, coisas repetidas demais me entediam.

Mas aí, acontece tudo isso, bem quando eu andava não aturando mais nada.

E aí que eu me conheço melhor do que posso fazer parecer sim, e já achei a resposta. Já achei o joie de vivre que tava perdido. E ele é exatamente fazer coisas diferentes, fazer qualquer coisa que não seja ficar parado num lugar só. Entediado.

Vamos ver, vamos ver.

[isso tava escrito desde sábado, não lembro porque não foi postado Oo]

Simone de Beauvoir Saturday, May 15, 2010

Posted by Ágata in Citações.
add a comment

“I am awfully greedy; I want everything from life. I want to be a woman and to be a man, to have many friends and to have loneliness, to work much and write good books, to travel and enjoy myself, to be selfish and to be unselfish… You see, it is difficult to get all which I want. And then when I do not succeed I get mad with anger.”

Eu Sou o Mensageiro – Marcus Zusak Friday, May 14, 2010

Posted by Ágata in Citações.
add a comment

Audrey nunca deixa essa história de amor atrapalhar. Acho que ela já teve uma família, mas o povo devia viver quebrando o pau. O que não falta por aqui é família assim. Acho que ela amava os pais, mas eles só lhe meteram a porrada.

É por isso que ela se recusa a amar.

Seja lá quem for.

Acho que ela se sente melhor assim, e quem pode condenar a coitada?

É só pedir Friday, May 14, 2010

Posted by Ágata in "Querido Diário".
add a comment

Tudo que eu andava precisando?

Nah, que nada, tudo que eu tava precisando mesmo era isso agora. Quem não gosta de ser demitido?

Pode vir, inferno astral, que pior que isso tu não fica.

(vai… desafia o 004 mesmo… bring it on, quero ver o que mais você tem pra mim)

Eita Wednesday, May 12, 2010

Posted by Ágata in "Querido Diário".
add a comment

Eu não entendo mais  nada. E meus sonhos andam um pior que  o outro. Um deles já entra definitivamente na categoria ‘pesadelo’. O que, claro, é só tuuuuuudo que eu ando precisando :P

Oferenda – Guilherme Preguer Thursday, May 6, 2010

Posted by Ágata in Poesia.
add a comment

matar um boi por dia
é muito,
é como comer
numa churrascaria.

matar um boi por dia
é demais,
o que se deseja
é um pouco de paz.

matar um boi por dia
é um exagero,
é preciso saborear
o tempo com seus temperos.

matar um boi por dia
é insano;
é alimentar a cadeia
equívoca do auto-engano.

matar um boi por dia
é carnificina,
é espalhar carcaças
em cada esquina.

matar um boi por dia
é infrutífero,
não dá nem para colher
as virtudes de ser íntegro.

matar um boi por dia
é sanguinolento,
melhor seria a coragem
de dizer: eu não aguento!

matar um boi por dia
é um sacrifício.
o ideal é expiar outro bicho
e voltar ao início,

limpo de toda sangria.
é possível
poupar um boi por dia
e insistir com alívio:

dar o dia pelo dia
é o que basta,
é a oferenda
justa, sem demasia.