jump to navigation

Oferenda – Guilherme Preguer Thursday, May 6, 2010

Posted by Ágata in Poesia.
trackback

matar um boi por dia
é muito,
é como comer
numa churrascaria.

matar um boi por dia
é demais,
o que se deseja
é um pouco de paz.

matar um boi por dia
é um exagero,
é preciso saborear
o tempo com seus temperos.

matar um boi por dia
é insano;
é alimentar a cadeia
equívoca do auto-engano.

matar um boi por dia
é carnificina,
é espalhar carcaças
em cada esquina.

matar um boi por dia
é infrutífero,
não dá nem para colher
as virtudes de ser íntegro.

matar um boi por dia
é sanguinolento,
melhor seria a coragem
de dizer: eu não aguento!

matar um boi por dia
é um sacrifício.
o ideal é expiar outro bicho
e voltar ao início,

limpo de toda sangria.
é possível
poupar um boi por dia
e insistir com alívio:

dar o dia pelo dia
é o que basta,
é a oferenda
justa, sem demasia.

Advertisements

Comments»

No comments yet — be the first.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: